Aprenda a escolher a suspensão de carro ideal

Você em algum momento já ouviu falar em suspensão de carro, tenho convicção disso! Mas, quando falamos em suspensão, você pensa que é meramente uma mola ligada à roda do automóvel. Não é? Errado! Observe o motivo!
A gente vai falar aqui ligeiramente mais com relação aos 3 modelos de suspensões , no sentido de ajudar você a fazer a mais apropriada seleção para seu adorado automóvel.
A suspensão merece a sua atenção, dado que é um dos sistemas mais imprescindíveis para o funcionamento adequado de um veículo. É exatamente ela quem garante a estabilidade do carro e absorve os choques do veículo com o chão, possibilitando um maior conforto para o condutor e os passageiros.
É bastante importante que o motorista fique atento ao desempenho da suspensão de seu veículo e a mantenha com as suas adequadas revisões.
Em território brasileiro, os 3 principais e mais habituais tipos de suspensão são o fixo, a ar e rosca. Entretanto, muitas pessoas não entendem apropriadamente como funcionam estes três modelos de suspensão, as essenciais características e diferenças.

Suspensão a ar

suspensao-ar A suspensão a ar está cada vez mais comum e no imaginário daqueles que desejam rebaixar o seu veículo, porém quem acredita que ela é uma invenção nova, está completamente enganado!
Ela existe desde os anos 40, data em que se buscava uma solução a fim de melhorar a estabilidade dos carros de competição nos EUA.
A preliminar suspensão a ar segura a qual podia possuir uma utilidade prática foi desenvolvida pela Firestone particularmente para o último exemplar Stout Scarab Experimental, mostrado no período de 1946, que também foi o primeiro veículo com carroceria de fibra de vidro no mundo.
O princípio era idêntico aos dos mecanismos modernos: quatro bolsas de ar substituíam as molas tradicionais, e tinham sua pressão regulada por quatro pequenos compressores unidos a cada uma das bolsas.
Essencialmente, a suspensão a ar é a aplicação de bolsas de material elastômero, habitualmente borracha sintética trefilada ou poliuretano, inseridas em conjunto ou trocando a suspensão mecânica original de um veículo. São mostradas em diversos formatos, tamanhos e quantidades de carga.
Essas bolsas de ar são capazes de ser infladas deslocando o agrupamento original com o intuito de compensar uma carga adicional nivelando o carro.
No lugar das molas são colocadas estas bolsas de ar que irão fazer o ajuste de altura do automóvel. Ao prender o ar, o automóvel levanta e na ocasião em que o sistema é ligado novamente, o ar é jogado da parte de dentro das bolsas para fora, fazendo desta forma com que o automóvel se rebaixe inteiramente.
No entanto, existe a indispensabilidade de um dispositivo que regularize a altura de rodagem. Esse dispositivo se chama válvula niveladora, que de preferência tem necessidade de ser eletrônica, dado que o condutor dificilmente é capaz de efetuar esta ajustagem.

PROS

  • Ajuste de estatura e manuseio em tempo real. Lombadas tornam-se obsoletas!
  • Preservação de componentes baixos e caros e prevenção de avarias ao chassi.
  • Molas de ar progressivas, bastante equivalentes às suas molas helicoidais.
  • Níveis ajustáveis das molas.
  • Altamente flexível.
  • Não há outro jeito de adquirir uma altura rebaixada e manter-se funcional.
  • Adaptação breve a aumento e mudança de peso.
  • Diminua a estatura do carro sem sacrificar a qualidade da direção.
  • Chamar atenção em qualquer lugar que estacionar!

CONTRAS

  • É mais oneroso do que suspensões de molas helicoidais.
  • O processo de instalação é mais complexo.
  • O processo de instalação é mais oneroso.
  • Mais componentes são precisos.
  • Em certos casos são necessárias modificações permanentes de chassi.
  • Já mencionamos que é bastante caro?

Curiosidades com relação às suspensões a ar

curiosidades-suspensao-ar

  1. Posso acionar a suspensão com o veículo movimentando-se?
    Sim, você pode estar ligando a suspensão a ar com o veículo em movimento, sem problemas.
  2. Qual o benefício de utilizar suspensão a ar?
    Se preferir por usar um sistema de suspensão a ar no seu automóvel terá inúmeras vantagens como: precisar se preocupar mais com lombadas, quebra molas e outras variações, uma vez que poderá subir e descer o sistema de suspensão sempre que for necessário.
  3. Como é recarregado o ar que a suspensão utiliza?
    O jeito mais favorável e efetivo de se carregar o ar empregado no sistema de suspensão é usando um compressor, que, em geral, já acompanha o kit de suspensão a ar.
  4. Posso usar compressor de pneus na minha suspensão a ar?
    Inúmeras pessoas procuram usar compressor de pneu na suspensão, e isso, além de produzir significativos riscos à segurança do automóvel, ainda compromete a finalidade da sua suspensão. Os compressores para pneus não possuem a mesma pressão que os compressores apropriados para suspensão a ar.
  5. Quais veículos são capazes de receber suspensão a ar?
    A suspensão a ar é capaz de ser usada em praticamente todos os modelos de carros.
  6. As bolsas correm risco de estourarem?
    Se o kit de suspensão a ar que você estiver usando for de ótima qualidade, não. Entretanto sempre é bom levar o veículo para uma inspeção de rotina, assim você se certifica de que está tudo bem com seu carro. Em geral, um kit de suspensão a ar pode durar bastante tempo caso sejam efetuadas as devidas prevenções.

Suspensão a Rosca

Seu funcionamento acontece por intermédio de um mecanismo formado de um tubo roscado e flange, que unidos são interligados aos amortecedores ou diretamente no eixo de trás do veículo, possibilitando que seja feita a regulação de altura só com o rosqueamento a mão do sistema.
A suspensão a rosca oferece maior movimentação, e é capaz de ser maravilhosa para quem pretende enfrentar vários tipos de áreas, visto que ela pode ser regulada manualmente.
Para quem deseja tunar o veículo é benefício montar este kit, além de ser de valor menor que a suspensão a ar, esse kit garante total proteção e equilíbrio ao automóvel.

PROVEITOS

pros-contras-suspensao-ar

  • Mais garantida que a suspensão a ar.
  • Despesa baixíssima.
  • Seguro ( uma vez que você não possui o risco de romper uma bolsa numa curva)
  • Custo/Benefício
  • Agilidade de modificação na altura: Em 5 minutos você abaixa ou sobe as quatro rodas
  • Durabilidade: Ferro tem maior durabilidade do que borracha

Contras

  • Recomendamos adquirir novos amortecedores sempre do comerciante da suspensão, ou descobrir onde o mesmo compra e obter do mesmo modelo, para não alterar a compressão dos amortecedores.
  • Toda vez que mudar a altura você vai sofrer uma perda no alinhamento.

Suspensão Fixa

Este tipo de suspensão é composto por um grupo com quatro amortecedores e quatro molas preparadas. Com este padrão, o veículo é capaz de ser rebaixado a uma altura correta perfeita para o automóvel, possibilitando maior aconchego e equilíbrio.
É bem usada por quem conta com um automóvel de alto desempenho, com motores feitos para alcançar grandes velocidades, visto que costumam ter necessidade de mais estabilidade e, por causa disso, o melhor modelo é a suspensão fixa, que é capaz de ser instalada na altura ideal para o modelo e o perfil de piso que seu veículo confrontará.

Como é constituído a transformação enfim?

modificacao-suspensao-fixa Há duas maneiras de executar projetos de suspensão fixa:
Cortando, Esquentando ou Prendendo as Molas com Presilhas: Além de ilícito ( uma vez que não autorizam a regulamentação junto ao DETRAN), essa prática é excessivamente arriscada, visto que alteram a armação das molas originais e aumentam a ameaça de acidentes por rompimento;
Usando Molas Esportivas : Preparadas em especial para o modelo do carro por produtores de molas e amortecedores, equipa o conjunto de suspensão atendendo as leis de trânsito, quer dizer, além de seguro ainda evita multas e tomada do veículo, visto que são capazes de ser facilmente regularizados.

Suspensão reforçada

É um agrupamento de molas, amortecedores e barras estabilizadoras. Nos carros off-road é habitual constatar molas semi-elípticas ou helicoidais e Duplo A – um modelo de suspensão -, que são mais corpulentas e reforçadas para suportar intensas pancadas.

Diferença Entre Suspensão Preparada E Molas Cortadas

Ao falar que temos um automóvel com suspensão preparada, estamos dizendo que o veículo é, em outras palavras, rebaixado.
Para os amantes de carros baixos, o caminho mais seguro e mais certo para alterar seu veículo é optando por suspensões, ou seja, o carro vai trabalhar com sua altura alterada, no entanto o aconchego e a segurança permanecem!
Diversas pessoas preferem por rebaixar seu automóvel cortando as molas da suspensão. Este definitivamente não é o modo apropriado, visto que no momento em que você corta as molas, o veículo trabalha com a altura do amortecedor reduzida fazendo desse jeito com que aquele amortecedor não absorva impacto mas sim a mola, fazendo que fique aquele popular veículo “Pula-Pula”.
Na ocasião em que você conduz com a suspensão preparada, o agrupamento mola e amortecedor já vem no tamanho adequado para se obter o amortecimento, fazendo com que a suspensão trabalhe com um melhor conforto, absorvendo, de uma maneira mais confortável, os choques obtidos pelo sistema de suspensão.
Por esse motivo, na ocasião em que optar por rebaixar seu automóvel, pense em primeiro lugar fazer um serviço que garanta sua segurança e seu bem-estar e que não venha trazer posteriores problemas para seu automóvel.

A suspensão é similar para todos os automóveis?

suspensao-veiculos-igual Cada tipo de veículo conta com um tipo de suspensão e, no total, podemos constatar 3 padrões: independente, semi-independente e inteiramente dependente.

  • No modelo independente, cada roda retém os impactos das irregularidades do solo sem transportar para outra do mesmo eixo;
  • No semi-independente, uma parcela dos choques é deslocado para a outra roda;
  • No modelo dependente, os movimentos de uma roda são notados nas outras rodas do eixo.

Conforme do padrão do carro, existe a possibilidade de existir 2 tipos de suspensão: uma de trás e a outra na frente.

Conheça o conjunto de suspensão

Molas e amortecedores

Juntos, mola e amortecedores compõem a central função de amortecimento com relação à variação do chão. Por causa da sua flexibilidade, a mola é o item mais eficaz para filtrar as imperfeições do chão. Já o amortecedor opera em agrupamento com a mola para amenizar as falhas da pista.
Por agirem em conjunto, no geral ambos precisam ser verificados na ocasião em que o veículo chega aos 20.000 Km rodados e trocados aos quarenta mil km rodados, ou conforme a orientação de cada fabricante.
Em alguns casos, o veículo tem a capacidade de chegar a rodar até cinquenta mil quilômetros sem a inevitabilidade da substituição e com desempenho em ótimo estado. Contudo, com a má qualidade de boa parte das vias públicas brasileiras, quase sempre cheias de buracos, e estradas de terra ou de trechos péssimos, é significativo que o condutor preste atenção.
Existe a possibilidade de constatar defeito nos amortecedores caso o automóvel demonstre oscilação na carroceria em linha reta e com ruídos provenientes da suspensão. Já nos amortecedores, os defeitos são capazes de acontecer antes ainda que eles comecem a acometer o equilíbrio do automóvel ou gerar ruído.
Por este motivo, sempre que for fazer um alinhamento ou balanceamento, peça ao profissional para ele dar uma aferida se não há vazamento ou se as hastes estão limpas.

Braço oscilante

braco-ocilante O braço oscilante similarmente é um dos itens da suspensão de carro e tem como propósito servir de apoio para a coluna de suspensão, que é articulável.
Se o motorista sentir certa divergência ao tomar a direção, seguida de algum barulho na suspensão, é capaz de ser que as buchas do braço oscilante encontrem-se gastas ou com defeito, sendo necessário substituí-las.

Pivô de suspensão

O pivô de suspensão trabalha para o bom funcionamento do braço oscilante. Isto porque, sua função é a de ajudar a coluna de suspensão em seu deslocamento, possibilitando o ângulo de oscilação do braço. Caso estejam gastos, causarão ruídos que podem servir de alerta ao condutor.

Barra estabilizadora

Este componente é incumbido na estabilidade do veículo em altas velocidades, em retas e curvas. Além disso, a barra estabilizadora forma a conexão entre as colunas de suspensão e é presa à lataria por buchas de ligação, e às colunas por meio de bieletas.
Estas são partes que impedem que o automóvel se apoie nas rodas ao realizar uma curva, auxiliando a controlar a estabilidade da lataria e, por conseguinte, prevenindo acidentes. Assim como os demais segmentos, a falta de estabilidade e barulhos podem anunciar um sinal de mau desempenho da barra estabilizadora.

Kits de suspensão – valor e conteúdo

Kit de suspensão comum

kit-suspensao-comum O kit, que costuma ser constituído por coxim (com e sem rolamento), batente e coifa, pode variar o custo de acordo com fabricante e distribuidora.
No geral, o kit sai em uma faixa de seiscentos reais, porém é capaz de chegar a custar R$1000 conforme a distribuidora.

Kit de suspensão a rosca

O kit de suspensão a rosca traz as peças: dois ou quatro AMORTECEDORES PREPARADOS (REMANUFATURADO), QUATRO MOLAS ESPECIAIS, 4 CONJUNTO DE REGULAGEM (ROSCADA/USINAGEM CNC), 1 PAR TELESCOPIO – (ENCURTADOS COM CUBOS E ROLAMENTO).
O valor do kit pode oscilar em uma média de seiscentos e mil reais, alternando de fábrica para fábrica e inclusive do tipo do carro.

Kit de suspensão a ar

A suspensão ar integra principalmente os consecutivos utensílios: compressor, cilindro, relógios, bolsas.
Atualmente o valor de um kit de suspensão a ar ainda é muito salgado, apesar disso bastante gratificante. Um kit integral varia de R$2500 a R$3500 Reais. Já um kit mais básico menos o compressor custa de R$1500 a R$2500. A particularidade é que sem o compressor o cilindro não se enche de ar sozinho, e desse jeito o condutor tem que enchê-lo com ar.

Quais são os contras da suspensão modificada?

Se você pensa em modificar a suspensão do seu carro, fique alerta às responsabilidades que você necessita ter antes e ao longo da direção do veículo.

Alteração nas molas

Antes de exercer qualquer alteração nas molas é imprescindível saber que os fabricantes usam softwares para o seu dimensionamento, já que o cálculo envolve um enorme número de princípios tal como quantia de elos, diâmetro, comprimento, carga, grau de inclinação dos elos, tensão máxima de cisalhamento do material, entre outras.
Além destas variáveis, os engenheiros fazem avaliação da geometria da suspensão para identificar as demandas a que esta mola irá estar subordinada e, por último, são recomendados os métodos térmicos que serão aplicados durante o processo de construção.
Em razão disso, peritos em suspensões não aconselham qualquer retrabalho (como é denominada a modificação) nas molas para diminuir seu tamanho, seja o corte de certos elos, grampos ou ainda aquecimento. Esse último provoca um aliviamento de tensões no material e encurta a medida entre os elos, minimizando o comprimento total da mola.
Num primeiro instante, esses retrabalhos são capazes de suprir às perspectivas dos consumidores, mas, no médio prazo, falhas aparecem: amortecedores estourados, trincas na longarina, trincas no túnel e batentes dos amortecedores avariados serão os primeiros prejuízos.
Se quiser modificar as molas, mais adequados são os kits de molas esportivas, típicas para cada modelo de automóvel. Além de dimensionadas pelo fabricante, elas asseguram a redução da altura com certo conforto e, especialmente, oferecem uma sobrevida aos demais itens da suspensão de carro.

Deve-se não utilizar altas velocidades

alta-velocidade Todos sabemos que os veículos originais de fábrica são condicionados em testes diversificados de resistência e aproveitamento. Equipamentos especialmente desenvolvidos para esse propósito detectam possíveis erros de projeto e regulam os limites de fadiga de materiais e, apesar disso, e com toda essa estrutura, os defeitos despontam.
A circunstância fica mais delicada na ocasião em que o projeto original é alterado, por esse fundamento é imprescindível evitar altas velocidades. O estouro de um amortecedor ou rompimento de uma mola é capaz de por você numa ocasião complicada se você estiver acima de 100 km/h.
Tem uma responsabilidade muito grande entre quem curte fazer modificações. A maioria percebe que tem carros especiais e que esse fato requer atenção duplicada em relação aos cuidados com manutenção preventiva. Assim, acabam sendo mais zelosos do que diversas pessoas que preservam seus veículos como foram feitos.
Eles têm noção que, no menor vestígio de oscilação ou barulho, deve-se estacionar o carro e instituir uma análise detalhada das peças envolvidas na personalização.

Vai alterar, precisa regularizar!

Não é unicamente ter desejo, cuidar do carro e conhecer a lei. Transformar o veículo envolve uma série de questões burocráticas. Veja a seguir o passo a passo:

  1. Verifique se a mudança que pretende instituir no veículo é permitida (resoluções 291 e 292 de 29/08/2008 do Contran)
  2. Requeira ao delegado do Detran autorização preliminar para mudança das características originais do veículo
  3. De posse dessa autorização prévia mais a nota fiscal dos trabalhos executados no automóvel, procure um posto de verificação autorizado pelo Inmetro para fazer a verificação da atual suspensão
  4. Caso seu carro seja aprovado, você vai receber o Certificado de Segurança Veicular (CSV) remetido pelo Inmetro
  5. Para terminar, é necessário conduzir o CVS ao Detran a fim de documentar as variações e alterar o documento do veículo, o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículos (CRLV), contendo no campo de observações do registro a altura da atual suspensão, mensurada do solo ao farol do carro.

Compreenda que, mesmo estando com a documentação legitimada, a maior parte das companhias de seguro não cobre os prejuízos de carros rebaixados. Mais um pretexto para “pegar leve”.
Presume fazer outras mudanças no automóvel? Vale a pena dar uma olhada nas resoluções de número 291 e 292 de 29/08/2008 as quais abordam especificamente das mudanças.

O QUE DIZ A LEI sobre a suspensão de carro?

lei-suspensao-carro Alterada em 2014, a resolução 479/2014 muda o artigo 6º da resolução 292/2008, a qual proibia o uso de suspensões com ajuste de altura, bastante devido aos caminhoneiros os quais baixavam as suspensões da frente do caminhão para ficarem com o estilo de nome “verdureiros”.
Com a atual resolução, o que ficou registrado foi que para os veículos que possuírem alteração na suspensão, deve existir nota no Certificado de Registro de Veículo (CRV) e no Certificado de Licenciamento de Veículo (CRLV) avisando a nova altura do veículo, mensurada do solo ao ponto do farol baixo (original) do automóvel.
Inclusive constam as ressalvas de que:

  • Os veículos devem ter peso bruto total de até três toneladas e meia;
  • A altura mínima de rodagem (medida do solo até o ponto mais baixo do chassi) necessita de ser de dez centímetros;
  • O conjunto de rodas e pneus não pode encostar em nenhuma porção da carroceria durante o esterçamento.

Mesmo com a mudança do artigo 6º da lei, o artigo 8º da mesma lei não foi modificado e proíbe:

  • Uso de rodas ou pneus os quais ultrapassem os limites externos dos para-lamas do automóvel;
  • Aumento ou diminuição do diâmetro externo do grupo pneu/roda;
  • Alteração das propriedades originais das molas do veículo, inserção, exclusão ou modificação de equipamentos da suspensão.

MOLAS ESPORTIVAS: Uma saída

Como abordado previamente neste artigo, apesar de ser uma conduta habitual, rebaixar o veículo requer uma sucessão de responsabilidades para realizar a mudança respeitando a legislação e conservar a segurança.
Tendo em conta os prós e ônus de cada uma das possibilidades de utilização, as molas esportivas são as mais sugeridas, uma vez que têm o menor valor entre as alternativas que são capazes de ser legalizadas e possuem fabricação com as propriedades próprias ao modelo do automóvel, o que garante segurança à você e seu carro.

Suspensões de carro a ar Castor

A Castor é uma autoridade no que se refere a suspensões. A empresa fornece vários modelos de kits segundo a necessidade de instalação do seu veículo.
Entre seus itens de suspensão a ar, podemos encontrar:

  • Amortecedores, Bloco/Válvulas Solenóides
  • Bolsas de Ar
  • Compressores
  • Controladores
  • Filtro de Ar
  • Grife e Acessórios
  • Mangueira/Conexões
  • Manômetros
  • Ponta de Eixo
  • Proteção Elétrica
  • Reservatorio de Ar
  • Base de Cilindro
  • Alvará e Atualizações

Você pode adentrar em contato com a Castor no endereço, mediante celular e whatsapp e/ou pelo website da loja.

Deixe uma resposta